bebê sacudido
Sem categoria

Você sabe o que é a síndrome do bebê sacudido?

------------ Espalhe amor #compartilhe ------------
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Síndrome do Bebê Sacudido é uma forma de abuso físico que ocorre quando um adulto sacode um bebê geralmente menor de seis meses, “com frequência pela irritação com seu choro, ou por realizar algum ato no qual não tem domínio, que desagrada a quem cuida dele” e pode ser também por brincadeiras bruscas e sem noção.

Cuidar de um bebê exige muita paciência e quando os cuidadores, seja o pai, a mãe, avós ou babás, não conseguem suprir as necessidades dele, aumenta-se o risco de o bebê ser sacudido para cessar o choro.

Como o bebê está em desenvolvimento, qualquer alteração brusca pode ser irreversível. As sacudidas podem causar lesões que resultam em cegueira, hemorragias na retina, lesões oculares, surdez, fraturas em ossos, paralisia cerebral, deficiência mental e até morte.

bebê sacudido

O bebê pequeno tem a cabeça maior que o corpo, com o pescoço mole, sem a musculatura bem desenvolvida. Ao fazer movimentos bruscos, de extrema aceleração e desaceleração, podem ocorrer lesões cerebrais”, diz Márcia Sanae Kodaira, pediatra e coordenadora médica da unidade de emergência e internação do pronto atendimento infantil do Hospital Santa Catarina (SP).

Porém, em casos mais raros e sem a intenção dos cuidadores, isso pode acontecer. Um dos exemplos é de quando o bebê engasga e, no desespero, os pais o sacodem para que volte a respirar normalmente. Uma das maneiras para ajudar o bebê a soltar o leite que por acaso voltou e virá-lo de lado, nunca balançá-lo com força.

As sequelas podem ser transitórias ou definitivas. Segundo a especialista, muitas crianças podem ter retardo de desenvolvimento neuropsicomotor, surdez e até lesões oftalmológicas sem que nunca o diagnóstico seja relacionado às sacudidas bruscas. Em 30% dos casos, o bebê pode morrer.

Mas fique calma e não confunda! A síndrome do bebê sacudido não tem nada a ver com as brincadeiras que você faz com o seu filho, o embalar nos braços, num balancinho para bebês ou as chacoalhadas que o carrinho faz ao caminhar pelas ruas. O que faz mal é o movimento brusco, não o carinho que você dá para o seu filho.

bebê sacudido

Sintomas

Os sinais físicos de abuso nem sempre estão presentes na síndrome do bebê sacudido. Entretanto, uma radiografia ou exame dos olhos feito por médico pode mostrar sinais de trauma. O médico pode detectar fraturas de costela ou notar sangramento no fundo dos olhos do bebê.

Se houver sintomas presentes da síndrome do bebê sacudido, estes serão os sintomas:

Dificuldade para permanecer acordado

Tremores no corpo

Dificuldades respiratórias

Hábitos alimentares insatisfatórios

Vômito

Pele manchada

Convulsões

Coma

Paralisia

Perda de visão

 

Diagnóstico

Para diagnosticar a síndrome do bebê sacudido, o médico procura três quadros que costumam indicar a síndrome. São eles

Inchaço no cérebro (encefalopatia)

Sangramento no cérebro (hemorragia subdural)

Sangramento na retina (hemorragia retiniana)

Para fazer o diagnóstico e procurar sinais de lesão cerebral, o médico pedirá vários exames. Esses exames podem incluir:

Tomografia computadorizada (cria uma imagem tridimensional do cérebro da criança)

Leia mais:  Grávidas podem curtir o Carnaval sem colocar a saúde em risco

Ressonância magnética (usa ondas de rádio potentes para criar uma imagem do cérebro do bebê)

Radiografia do esqueleto (uso de raio-x para examinar fraturas na espinha, costela e crânio)

Exame oftalmológico (procura sangramento e lesões nos olhos)

Outros problemas de saúde podem ser semelhantes aos sintomas da síndrome do bebê sacudido. Entre eles, alguns distúrbios genéticos (como osteogênese imperfeita, que faz com que os ossos do bebê se quebrem facilmente) e distúrbios hemorrágicos. Antes de confirmar a síndrome do bebê sacudido, o médico pedirá um exame de sangue para eliminar outras causas.

 

Tratamento

Se você achar que existe um caso de síndrome do bebê sacudido, ligue para a emergência imediatamente. Alguns bebês e crianças param de respirar após serem sacudidos. Se isso ocorrer, será preciso fazer reanimação cardiopulmonar para manter a criança respirando enquanto se espera chegar a equipe médica.

Os Institutos Nacionais de Saúde recomendam estas etapas para se fazer a reanimação cardiopulmonar:

Deitar o bebê de costas cuidadosamente. Se houver suspeita de lesão na coluna vertebral, é melhor que duas pessoas manipulem o bebê para que a cabeça e o pescoço não sejam torcidos.

Preparar a sua posição. Colocar dois dedos no meio do esterno (logo abaixo dos mamilos) e colocar a outra mão na testa do bebê para manter a cabeça inclinada para trás. Se houver suspeita de lesão na coluna vertebral, puxar o maxilar inferior para a frente em vez de inclinar a cabeça e não deixar que a boca se feche.

Fazer compressões no tórax. Pressionar para baixo o esterno e empurrar um pouco para dentro do tórax. Fazer 30 compressões torácicas sem parar enquanto se conta em voz alta. As compressões devem ser rápidas e fortes.

Administrar respirações de resgate verificar a respiração após as compressões. Se não houver respiração, cobrir firmemente a boca e o nariz do bebê com a sua boca. Certificar-se de que a via aérea esteja aberta e aplicar duas respirações de mais um menos um segundo cada uma. O tórax deveria se erguer.

Continuar a fazer a reanimação cardiopulmonar. Continuar com o ciclo de 30 compressões e duas respirações até a ajuda chegar. Lembrar-se de continuar a verificar a respiração.

Após ser sacudido, o bebê também pode vomitar. Para evitar engasgos, colocar o bebê de lado delicadamente. Virar o corpo todo do bebê de lado ao mesmo tempo. Se houver lesão na coluna vertebral, esta forma de rolar o bebê reduz o risco de aumentar os danos na coluna. É importante não levantar o bebê nem dar alimento ou água.

Não existe medicamento para tratar a síndrome do bebê sacudido. Em casos graves, pode haver necessidade de cirurgia para tratar do sangramento no cérebro. Isso pode envolver a colocação de uma derivação (um tubo fino) para drenar o excesso de sangue e líquidos e aliviar a pressão. Também pode haver necessidade de cirurgia nos olhos para remover o sangue antes de que isso afete a visão permanentemente.

Fontes: http://pt.healthline.com e Revista Crescer

Imagem: Google


------------ Espalhe amor #compartilhe ------------
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Estilista, empreendedora e mãe de 2 crianças lindas, idealizei o blog em 2013 quando senti dificuldades de informações e temas variados em um único site. Hoje o blog virou revista, interagindo com a movimentação de informações e dicas pesquisadas com carinho para passar para minhas seguidoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *