Sem categoria

Ginecologista alerta sobre os riscos de infecções durante o verão

------------ Espalhe amor #compartilhe ------------
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sol, praia, piscina e muito calor, combinação perfeita para quem quer curtir a estação mais desejada do ano. No entanto, esse período pode esconder inimigos invisíveis como fungos e bactérias, que podem se alojar e se proliferar nas regiões íntimas das mulheres.

veraonagravidez

Em dias de calor é comum sair do mar ou da piscina e manter o biquíni úmido no corpo. Essa prática corriqueira alimenta fungos e bactérias na região íntima. Roupas apertadas, em especial a calça jeans, além de depilação completa na região genital e uso de produtos perfumados, contribuem também para o malefício.

A higiene da região genital é de extrema importância para quem não deseja sofrer com o corrimento, uma das queixas mais frequentes nos consultórios ginecológicos. “Se o problema é interno, não se pode menosprezar o órgão genital feminino – grandes e pequenos lábios, períneo e pelos –, já que é a porta de entrada de agentes causadores de infecções”, explica o médico ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli. Ainda segundo o especialista, o corrimento é uma denominação genérica para várias infecções vaginais, muito comuns na vida da mulher em idade sexualmente ativa. O corrimento é uma infecção desencadeada por fungos e bactérias, por isso a importância de se prevenir.

Entre as infecções é a Candíase, que provoca coceira na vagina, secreção esbranquiçada e sensação de ardor, geralmente sem odor. Essa doença é comum no verão. “Evitar deixar que a roupa seque no corpo é o primeiro passo para a prevenção”, adverte o médico.

Outra dica importante é conhecer bem a região onde irá se banhar. Evitar rios ou represas de procedência duvidosa (poluídos e contaminados) é importante para evitar as viroses. “A vulva pode contrair viroses como o molusco contagioso, caracterizado por vesículas cujo centro parece um umbigo”, avisa Mantelli.

Outro distúrbio característico do calor é a Vaginose Bacteriana, causado por bactérias anaeróbicas que surgem devido à não ventilação local. O uso de roupas apertadas estimula esse mal. “Nesse caso, o corrimento é acinzentado com odor desagradável, principalmente após a relação sexual”, explica o médico.

A tricomoníase é outra doença comum sexualmente transmissível e, geralmente, não possui sintomas. Quando eles aparecem, se revelam por meio de uma secreção amarelo-esverdeada com mau cheiro, coceira, irritação e inflamação na vulva, desconforto ao urinar e dor durante as relações sexuais.

PROTEÇÃO VAGINAL

Leia mais:  10 Dúvidas mais comuns sobre o pós-parto.

A vagina conta com mecanismos que a mantém ácida para defender naturalmente contra a presença de bactérias e fungos. Anticorpos e células de defesa também controlam os invasores indesejáveis e previnem as infecções. Porém, esse sistema falhará se a mulher não se atentar aos cuidados com a higiene, utilizar roupas apertadas e de tecido sintético e usar produtos perfumados (sabonetes e absorventes) dos quais podem provocar alergia. A baixa imunidade, as alterações hormonais e o uso de antibióticos também favorecem para o surgimento das doenças.

CUIDE-SE:

– Ao sair da água, troque o biquíni ou maiô imediatamente por roupas secas;

– Evite tirar todos os pelos do órgão genital. São eles que protegem a vulva. Não se depile no mesmo dia que vai à praia ou mergulhar na piscina. Isso pode causar minúsculas lesões na pele, que fica desprotegida e exposta à contaminação;

– Fuja das roupas sintéticas nos dias mais quentes. Esse tecido impede a ventilação na vagina. Prefira as calcinhas de algodão;

– As calcinhas devem ser lavadas sempre com sabão de coco ou sabonete neutro. Evite amaciante e água sanitária nas peças;

– Não durma com absorvente íntimo. Ele deve ser trocado com regularidade. Dormir sem calcinha pode ser uma boa solução para arejar a região genital;

– Opte por sabonetes à base de glicerina, já que os sabonetes íntimos combatem tanto os microorganismos nocivos quanto os necessários à vagina. Se usar sabonete, a quantidade deve ser pequena;

– Consulte o ginecologista regularmente para realizar exames ginecológicos de rotina.

Sobre Dr. Domingos Mantelli

Dr. Domingos Mantelli é ginecologista e obstetra, com formação em neurolinguística e atuação na área de medicina psicossomática. É formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e possui residência médica na área de ginecologia e obstetrícia pela mesma instituição. Também é autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra”. http://domingosmantelli.com.br/

Foto: Mamas2mamas


------------ Espalhe amor #compartilhe ------------
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Estilista, empreendedora e mãe de 2 crianças lindas, idealizei o blog em 2013 quando senti dificuldades de informações e temas variados em um único site. Hoje o blog virou revista, interagindo com a movimentação de informações e dicas pesquisadas com carinho para passar para minhas seguidoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *