• Pinterest - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

© 2019 Grávidas e Antenadas - Desenvolvido por PaAz Marketing Digital Express

  • Patricia Azevedo

PRÉ-ECLÂMPSIA NA GRAVIDEZ: PRINCIPAIS SINTOMAS E RISCOS

Trata-se de uma #subida da tensão ocasionada pela #gravidez que afeta 15% das mulheres grávidas.


Foto: @isanascimento


Você sabe o que é a pré-eclâmpsia?


É uma doença bem comum nas grávidas, sobretudo depois da 20ª semana. Esta dolência caracteriza-se por um aumento da pressão sanguínea, cujas causas são desconhecidas, e que se se trata com tempo, não há motivos para ter graves consequências nem para a mãe nem para o bebê. Por isso, conhecer os seus sintomas é essencial para evitar as suas possíveis complicações. Trata-se de uma subida da tensão ocasionada pela gravidez que afeta 15% das mulheres grávidas.


Chamada também de toxemia, costuma ocorrer a partir da metade da gravidez, ainda que se desenvolve desde o primeiro momento. As causas são desconhecidas. No entanto existem numerosas teorias comprovadas que compreendem fatores genéticos, alimentares, vasculares (vasos sanguíneos) e auto imunes.


Existe também uma população de risco: principiantes, gravidezes múltiplas, mães com um avanço na idade, mulheres afro-americanas e antecedentes prévios de diabetes, hipertensão e doença renal.


Sintomas Nesta doença, como em muitas outras, conhecer os sintomas é fundamental para evitar riscos e complicações na gravidez. -Edema (inchaço brusco das mãos e cara ao levantar-se).


-Aumento de peso súbito em 1 ou 2 dias.

-Dores de cabeça.

-Enjoos.

-Menor vontade de urinar.

-Zumbido nos ouvidos.

-Pressão sanguínea alta.

-Mudanças na visão (visão imprecisa, cegueira repentina).

-Febre.

-Dor abdominal.

O sintoma principal e mais característico é o inchaço repentino das mãos e da cara. Se suspeita que sofre de pré-eclâmpsia, tem que fazer uma série de provas. Não consiste só em medir a tensão, já que esta pode ser mais alta que o normal sem a necessidade de sofrer pré-eclâmpsia. Para além do inchaço excessivo tem que ocorrer um alto teor de proteína na urina. Por isso, faça regularmente análises à urina.


Riscos A pré-eclâmpsia pode impedir que a placenta receba sangue suficiente, e assim o bebê receberá menos ar e comida. Isto pode ocasionar peso baixo à nascença e défice no desenvolvimento do bebê. Por isso, a maioria das vezes, se é factível, induz-se o parto.


Alguns casos desenvolvem eclâmpsia (convulsões causadas pela toxemia), dolência muito grave tanto para a saúde da mãe como para a do #bebê. Felizmente, a pré-eclâmpsia é detectada a tempo nas mulheres que estão vigiadas pelo seu obstetra e a maioria dos problemas são prevenidos.


Tratamento O único tratamento é o parto. Se o bebê é demasiado pequeno e as possibilidades de sobreviver são escassas, recomenda-se repouso na cama, um controlo intenso e induzir o parto assim que o bebê esteja preparado para viver fora do útero.


Mesmo que reduzir o sal seja um tratamento habitual quando se tem a tensão alta, não é o suficiente no caso das grávidas. O corpo necessita de sal para manter os fluidos do líquido do seu corpo, assim que é necessário que ingira uma quantidade de sal normal. O ideal é manter sob controlo esta doença, normalmente no hospital, até à 36ª semana de gravidez. O #parto tem-se que ser induzido se apresentar algum dos seguintes sintomas:

  • Pressão sanguínea diastólica superior a 100 milímetros de mercúrio de forma sistemática por um período de 24 horas ou se há uma leitura confirmada de mais de 110 mmHG.

  • Dor de cabeça persistente ou forte.

  • Eclâmpsia.

  • Edema pulmonar (líquido nos pulmões).

  • Provas da função hepática anormais.

  • Aumento da creatinina no soro.

  • Trombocitopenia (número de plaquetas insuficiente).

  • Sinais inquietantes na monitorização fetal.

  • insuficiente crescimento fetal.

Segurar a #gravidez depois da 36ª semana, sobretudo se o feto tem possibilidades de sobrevivência, pode produzir complicações para a mãe, assim como a morte do bebê em 87% dos casos. A gravidez entre as semanas 24 e 34 de gestação apresentam dúvidas, os pais e a equipe médica quem decidem se realizam o parto ou não.


Durante este tempo, para que o feto amadureça, trata-se a mãe com injeções de esteroides que ajudam a acelerar a maduração de alguns órgãos fetais, incluindo os pulmões.


Durante a indução do trabalho de parto e o #parto propriamente dito, se fornecem medicamentos para prevenir as convulsões e manter a pressão sanguínea bem controlada; a decisão de optar por parto vaginal ou #cesariana baseia-se na tolerância que o feto possa ter no trabalho de parto.


Na maioria das mulheres, a tensão volta aos seus valores normais depois do parto e também desaparece a perda de proteína da urina.


Prevenção Dado que uma das causas é a existência de estados nutricionais deficientes, as mulheres grávidas devem ter uma alimentação saudável, variada e adequada às requisições nutricionais. Também é importante para todas as mulheres grávidas obter atenção pré-natal e contínua. Isto permite o reconhecimento e tratamentos prévios de condições como a pré-eclâmpsia.  


Fonte: Pais principiantes; Dra. Miriam Stoppard. Academia Americana de Médicos de Família, http://familydoctor.org.

1 visualização